segunda-feira, 16 de abril de 2007

O moço do chapéu!


O mocinho dessa história usa um chapeuzinho de palha, daqueles que se usavam na década de 20 e tem um olhar distante e meio triste.
Ele sempre me intrigou! Desde a primeira vez que o vi, isso faz mais ou menos um ano.
Ele era a imagem que eu tinha daqueles poetas da segunda fase do romantismo, aquela ultra-romântica, onde se sofria do mal do século, com aquela tristeza profunda, quando muitos poetas morriam de tuberculose(!!) [mesmo sabendo que isso se deu bem antes da década de 20]. E isso me deixava mais intrigada.
Ficava imaginando no que ele pensava, o que escrevia (se escrevia), como era sua vida...A figura realmente me encantava!
Pensava que ele devia ser assim porque fazia filosofia e de tanto pensar no mundo, desacreditou de tudo!
Toda vez que o via passando, montava uma história diferente para ele, ficava viajando que ele tinha sido abandonado pela amada (que coisa mais piegas! mas eu pensava!), que ele era um típico boêmio que passava as noites filosofando em algum bar cult por aí...
Isso durante quase um ano. Sem nunca ter trocado uma palavra com ele. E logo vos aviso que não paixonite, pois eu nunca era personagem das histórias que eu inventava para ele, era o chapeuzinho que me chamava atenção!
Semana passada encontrei com ele na Assembléia Geral dos Estudantes da USP, ele estava sentado do meu lado! Imagine! Isso nunca mais ia se repetir! Eu tinha que testar minhas teorias!
Tomei coragem e falei com o moço do chapéu (o nome dele é Fábio, posso falar porque tenho certeza que ele nunca vai ler isso...), disse que fazia um ano que aquele chapéu me intrigava, que eu ficava viajando, inventado um monte de teorias para o olhar perdido dele (certeza que ele me achou meio pancada, mas tudo bem). E ai toda a minha mirabolante imaginação foi puxada de uma só vez para o mundo real.
O Fábio apenas gosta de chapéus, faz geografia (mas eu juro que ele vive no prédio de filosofia, que é o de sociais, portanto o meu também! Segundo ele, isso se explica pelo fato de ter muitos amigos que fazem filosofia... o que é uma pena, pois eu acho filosofia muito mais charmoso que geografia) e é uma pessoa normal, muito atencioso por sinal (deve ter ficado com pena, diante da minha cara de decepção).
Ganhei um novo colega (não gosto dessa palavra, mas fazer o que, se ele ainda não é amigo?), mas tenho a sensação de que preferia quando eu tinha um poeta com inspirações tuberculosas ou suicidas para ser personagem das minhas viagens!

PS: Gente valeu pelos parabéns! Brigada mesmo!
Luisa! lembro de um outro comentário seu, em que vc dizia que estava fazendo um blog! Se tiver feito, deixe eu link para eu passar lá também! =)
Márcio querido, mudei a idade! Demorei porque estava sem coragem...Tive que mudar os dois números! passei 9 anos mudando um só...É uma experiência traumatizante...
beijos!


Postado por Ane Talita às 12:17 PM |



 
quinta-feira, 5 de abril de 2007

20 anos!



Já faz duas décadas que eu existo! Isso quer dizer que vivi aproximadamente 7300 dias, 175.200 horas, ou ainda 10.512.000 minutos, o que equivale a 630.720.000 segundos.
Bastante tempo não?
E o que eu fiz de excepcional ou importante? Nada! Se formos pensar que Mozart por exemplo já era compositor aos 5 anos, que com 18 anos, Olga Benário foi fazer um curso de combatente na União Soviética, que Joana d'Arc foi para guerra aos 15 e que a Sandy já era ídolo pop aos 6!
O que me consola é que meu grande ídolo, o Che Guevara, só foi se interessar pelos assuntos políticos aos 27, que a J. K. Rowling escreveu Harry Potter depois dos 30 e que a maioria que do pessoal que entra no BBB tem mais de 22 =p . Isso quer dizer que não sou um caso perdido.
Acho que minha vida começa agora, sem a insegurança da adolescência (com 20 já sou adulta? isso quer dizer que minha neuras vão acabar no sábado?), com mais controle sobre minhas ações e mais independência, mas ao mesmo tempo cheia de sonhos e ideais. Batalhando para ter uma vida legal, fazendo o que gosto. E tentando mudar pelo menos a realidade ao meu redor, mesmo que a minha única "arma" seja um sorriso.
Ok! Chega de auto propaganda, senão daqui a pouco chove pedidos de casamento, e isso é assunto para a próxima década. Mas mesmo assim estou nas comunidades Sou pra casar e Eu sou um bom partido (marketing é tudo, nesse mundo cada vez mais competitivo).
Fazer 20 anos está me fazendo pensar em várias coisas. Tipo: "corre, porque de agora em diante passa voando"..."Nossa, já fiz muita cagada nesses últimos anos, pise no freio". Ou "Meu, agora que a coisa fica boa!". "Menina, você está ficando velha, creminho na cara toda noite, protetor solar durante o dia e malhação sempre!". Lógico, também estou tendo reflexões mais profundas, sobre meu eu interior, auto-conhecimento, essas coisas todas, mas não vou importuná-los com isso.

A única certeza que tenho é que com 40 quero olhar para atrás e dizer que valeu a pena, que até as burradas mão foram em vão. Exatamente como estou fazendo agora!


PS: a foto de da Graça!
PS1: Meu aniversário é dia 06/04! Sexta-feira Santa...Muito chique!


Postado por Ane Talita às 12:40 AM |



perfil
Ane Talita,21 anos,futura cientista social,possui síndrome de Peter Pan,gosta da calma da praia,mas também gosta da cidade,gosta de sol,mas também gosta de chuva,se dá o direito de gostar de coisas contraditórias.Acredita que o mundo pode ser um lugar melhor e está fazendo a sua parte!


about
Penso com a pele. E uma vez que cansei de opor a razão a tudo, me falta o por quê do cerébro.


posts anteriores
Só um minutinho...
o que será que me dá?
Fechado.
Na sopa
?
morada.
(!)
!
mini-conto, 2 anos entre outras coisas
A primeira hora de 2009


arquivos
Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Outubro 2009 Novembro 2009


outras estações
A Bailarina
Ácido Poético
Aruayê
A vida é cor de rosa
Baba Cósmika
Benjamin, Brecht e Antropologia Blônicas
Casa & Coisas & Tal
Chá de Tharântulas
Contos da Camaleoa
Conversa de Terapeuta
Despojo
Devaneios e Loucuras
Diz,Aline!
Do amor, Laico impropério
(Doenças)Crônicas
Drapetomania
Essência no Ar
Fina Flor
Fragmentos de Jô
Guria
Heteroglossias
Hialoplasma
Infinito Particular
Li du Surf
Mothel
Namastê
Nosensosociais
Nuvens no Varal
O Insólito Ululante
Pagina a Dois
Posta Restante
Relatos de Uma Guerra Pessoal
Sabe de uma coisa?
Surto Psicossomático
O Vestido Estampado
Xexelento's


"profissas"
Andréa Del Fuego
Antonio Prata
Bianca Rosolem
Bruna Beber
Cecília Giannetti
Clara Averbuck
Cléo Araújo
Índigo
Ivana Arruda Leite
João Paulo Cuenca
Marcelino Freire
Marcelo Montenegro
Mário Bortolotto
Mônica Montone
Rosana Hermann
Santiago Nazarian
Tati Bernardi
Xico Sá


design
Layout por Helô Moreira